Perfil:
Guilherme


Arquivos:

Amigos (0)::


Resumo da qunta semana de PolĂ­tica Comercial Externa
02/09/2013 às 14:01

Segundo Adam Smith, o subsídio é prejudicial para o país, pois a prática se faz em um setor produtivo ineficiente do país e acomoda o produtor.

Os principais fatos do Liberalismo são o livre mercado ( Livre formação de preços e a não intervenção do governo), a desregulamentação ( a atitude de evitar leis que limitem a capacidade econômica), a iniciativa individual (A escolha facilitada do ramo de atividade), a livre concorrência (Qualquer empresa pode se estabelecer no mercado desde que seja eficiente), e a divisão internacional da produção (especialização dos países em suas áreas de especialidade).

Friederich List afirma que o livre comércio só é vantajoso para países que tenha o mesmo nível de desenvolvimento. List fez o projeto do protecionismo educador, que é o fato de o país dificultar a entrada de produtos estranjeiros até que a indústria local se torne eficiente. Os princiapis autores do protecionismo foram Friederich List e Alexander Hamilton. Paul Prebish criou, em 1948, a Comissão Econômica para a América Latina e Caribe (CEPAL). Prebish acredita que quanto maior a renda, maior a deteriorização dos termos de troca. Segundo ele, existem dois tipos de estados: o de centro (Que são os países industrializados) e os de periferia (Países produtores de matéria-prima). Uma grande crítica ao protecionismo é a acomocação da indústria protegida.

Entre 1810 e 1930, a teoria do Estado Liberal-Conservador era a mais aplicada no Brasil. O Brasil é um exemplo de Decision Takers (países que aceitam decisões) e os Estados Unidos são um exemplo de Decision Makers (países que tomam decisões). No Estado Liberal-conservador, o interesse nacional se confundia com os interesses da classe dominante. Nesta época, o café era o centro da economia. O objetivo do Estado Liberal-Conservaldor era a exportação de bens agrícolas, a sociedade na época era escravocrata e o Estado adotava a política de portas abertas.

Em 1930, Getúlio Vargas assumiu a presidência do Brasil e formou o Estado Desenvolvimentista, tendo como principal vertente a consolidação do desenvolvimento através da industrialização. Em 1929 quebra a bolsa de Nova Iorque. Neste período, o Brasil inaugura o Processo de Substituição de importações (PSI), que substituia as importações de produtos já acabados pelos bens intermediários (máquinas e equipamentos de produção). Os interesses eram múltiplos e as decisões também eram feitas de acordo com os interesses dos militares, dos proprietátios de terra, dos trabalhadores e dos sindicatos industriais.

Nos anos 1950, Juscelino Kubstichek criou a cidade de Brasília, fez o projeto "50 anos em 5", criou a indústria automobilística e mudou o sistema de transporte de ferroviário para rodoviário.

No Governo de Ernesto Geisel é criado o projeto "Brasil grande potência", o Proálcool, o "Milagre econômico" e a usina de Itaipu. O país er a protecionista e criou a diplomacia da exportação.

Nos anos 1970, houve o processo de substituição de exportações onde as exportações de produtos primários era substituídas pelas de produtos industrializados. Entre 1989-2002, o Brasil adotou o paradigma neoliberal , que resultou na abertura comercial do Brasil.

A partir de 2002, o Brasil cria o paradigma logístico que tem como principal ideia o apoio do Estado para a participação de empresas nacionais em cadeias produtivas internacionais , principalmente através de financiamentos pelo BNDES (Banco Nacional do Desenvolvimento).



Comentários



Comentar post:

Nome/Apelido:


Email:


Comentário:



Guilherme Felipe Agapto
05/09/2013 as 14:42

Obrigado Julia. Venha mais aqui para conferir as novidades minhas. Espalhe o meu blog para teus amigos!

Guilherme Felipe Agapto
05/09/2013 as 14:42

Obrigado Julia. Venha mais aqui para conferir as novidades minhas. Espalhe o meu blog para teus amigos!

Julia
03/09/2013 as 20:49

Adorei o assunto abordado!